Criação de Sites Chapecó Cruz Alta | Netface

Notícias

O futuro das cidades é digital

O Acre lançou no início do mês passado (4 de fevereiro) o primeiro estágio da chamada Floresta Digital. Com um investimento de R$ 30 milhões, feito pelo governo estadual, o projeto pretende levar internet banda larga sem fio gratuitamente aos 22 municípios até o fim deste ano. O desafio é combinar tecnologia Wi-Fi com área florestal, permitindo o acesso à internet numa região de mais de 150 mil quilômetros quadrados, em sua quase totalidade cobertos por mata virgem.

Por enquanto, a iniciativa é realidade apenas no perímetro urbano, numa área de 80% da cidade de Rio Branco. Na avaliação do secretário da Fazenda Mâncio Cordeiro, durante o lançamento do projeto, a estrutura permitirá a economia de R$ 1 milhão por mês no custo de comunicação do Estado.

Até dezembro, está prevista a distribuição de 9 mil netbooks para a população. Os beneficiados seriam os estudantes do terceiro ano do ensino médio. Eles terão de devolver os equipamentos no final do curso.

Impactos

Floresta Digital é um dos muitos programas de digitalização que prometem revolucionar a região em que serão aplicados nos próximos cinco anos. Ações desse tipo envolvem a participação do governo, iniciativa privada, universidades, organizações não-governamentais e outras comunidades organizadas, tornando a era dos provedores pagos coisa do passado.

Deve-se avaliar com bom senso cada uma das iniciativas, considerando sempre o universo onde ela será aplicada. "Não se pode esperar o mesmo tipo de ação em um município com um milhão de habitantes e em outro com cinco mil", alerta Fabio Josgrilberg, pesquisador de cidades digitais pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). "A sociedade civil organizada deve ter participação em possíveis comitês gestores ou conselhos de comunicação locais que possam orientar as ações". Segundo ele, cabe ao governo, especialmente no início, servir de articulador e catalisador dessas iniciativas.

Olhando para o futuro, observa-se que esses programas terão impacto até no turismo. A consultoria americana DeviceScape mostra que a decisão dos turistas para escolher suas viagens começa a levar a conta o acesso gratuito. Numa pesquisa realizada recentemente, 90% das pessoas consideram a oferta de conexão sem fio na hora de decidir em que hotel vão se hospedar e qual local visitar.

Os turistas mostram-se exigentes: 93% querem gratuidade de acesso. Apenas 6% cogitam pagar pelo acesso. Mesmo não pagando, a qualidade do serviço é considerada: 75% dos pesquisados afirmam que não retornariam a um lugar com conexão ruim.

O impacto das redes sem fio gratuitas será percebido até no mercado imobiliário. Na mesma pesquisa, cerca de 72% das pessoas afirmam que teriam mais interesse em comprar um imóvel ou abrir um negócio em regiões com acesso gratuito à internet.

O certo é que nenhum governo (em âmbito municipal, estadual, federal ou internacional) pode ignorar as demandas por conexões. Por essa razão, os países da União Europeia estabeleceram, em novembro do ano passado, metas de governo eletrônico para 2015, comprometendo-se a oferecer mais serviços eletrônicos para cidadãos e empresas.

A reunião da quinta Cúpula Ministerial sobre Governo Eletrônico da União Européia, ocorrida em Malmo (Suécia), tomou decisões que apontam para "serviços públicos mais interativos", na opinião de Siim Kallas, vice-presidente de Assuntos Administrativos, Auditorias e Antifraude da Comissão Européia. Em meados deste ano, deverá estar pronto documento para estabelecer metas para o uso de TIC na região.

No Brasil, o governo federal define o Plano Nacional de Banda Larga, em meio a críticas, por causa da reativação da Telebrás. Há ainda divergência no investimento a ser feito.
A estimativa de custos da Presidência é de até R$ 14 bilhões. Por outro lado, o Ministério das Comunicações joga com o número de R$ 79 bilhões.

As consequências para a economia e a sociedade serão decisivas, a partir das medidas que estão para ser divulgadas. Em qualquer panorama, a Tecnologia da Informação precisa ser usada para promover a cidadania, a transparência pública e eficiência dos governos locais.

Autor:   Tagil Oliveira Ramos

Fonte:   http://www.itweb.com.br

Mais notícias ...

Criatividade, Qualidade e Experiência

Procurando Trabalho?   Política de Privacidade   Remoto   Recomende o Site
© 2017 Netface. Todos os direitos reservados.